bom negócio, Controle financeiro, dinheiro, empresas, empréstimos, finanças, ganhar, gastar, investimentos, juros, negociar, prosperar, rico, situação financeira, venda,

Para ficar rico ou sair das dividas muitos esperam uma dica milagrosa ou uma fórmula mágica de riqueza com pouco ou nenhum sacrifício do dia para a noite.
Isto não existe!
Para prosperar, é preciso poupar uma parte do que se ganha e colocar este dinheiro para trabalhar a seu favor.
Economias bem aplicadas produzem juros que se acumulam com o tempo, gerando riqueza.

Dificilmente alguém terá sempre dinheiro sobrando para comprar tudo que quer.
Mas a única escapatória é não parcelar, é tentador, pois se leva o bem para casa antes e paga-se depois.
Mas esses parcelamentos têm um terrível defeito: a carga extra de juros.

Como ganhar mais e gastar menos

Evite impulsos com as finanças
A origem da maioria dos endividamentos é gastar mais do que se precisa.
Não vá às compras quando está aborrecido, comprará coisas que raramente irá utilizar.
Se está propenso a compras por impulso, tente fazer uma lista do que precisa de comprar, e o que precisa de evitar.
Se quer mesmo alguma coisa, não se esqueça que o mundo não irá acabar no dia seguinte e que poderá voltar no dia a seguir – seja paciente quando faz compras.

Não se deixe levar por técnicas de venda e marketing
Grandes empresas tentam muitos truques para que o consumidor compre bens de que não precisa.
Por exemplo, não seja levado pelas promoções de 50% de desconto, só por estar em promoção não quer dizer que é um bom negócio ou que tem de comprar o produto.
Não fique entusiasmado sempre que vê uma promoção leve 3 pague 2, caso contrário irá começar a acumular coisas que nunca irá usar.
Se se sente pressionado pelos vendedores, saia da loja – se quer mesmo o produto em questão pode sempre voltar mais tarde.



Não procurar por melhores negócios
Para muitos produtos e fornecedores como lavanderia, provedor, gás, combustível… as companhia que os fornecem usam a lealdade do consumidor para cobrar preços mais altos.
Esta relutância em mudar é chamada de inércia do consumidor.
Por exemplo, as pessoas pensam que dá muito trabalho mudar de fornecedores, portanto estas ficam presas à companhia à qual já estão ligadas.
Contudo, se olhassem à sua volta e fizessem pesquisas iriam poupar consideravelmente.
Pense desta maneira, se entrasse numa loja iria comprar um produto que é exatamente o mesmo, mas 20% mais caro?

Pensamento positivo
Se tiver a atitude de pobreza e sentir pena de si próprio, é difícil fazer alguma coisa.
Se sente que o mundo está a conspirar para o fazer pobre, é provável que isso venha a acontecer.
Isto não quer dizer que deva somente ficar pensando que é rico, mas tem de evitar ter uma atitude negativa e procurar como é que pode melhorar a sua situação econômica.

Se possível ter investimentos
É verdade que quando tem vinte anos, é difícil poupar porque não tem rendimentos e tem muitas despesas, o investimento irá tornar-se possível mais tarde no decorrer da vida.
Contudo, se adia em demasia, irá eventualmente encontrar-se lá pelos cinquenta sem qualquer tipo de investimento ou plano de contingência.
Quanto mais cedo começar a poupar, mais produtivo se torna.
Se conseguir manter um hábito de poupança, é mais fácil aumentar o montante que deposita todos os meses à medida que a sua situação financeira melhora.

Ganhar dinheiro não pode ser propósito da vida
Toda a gente já ouviu falar de alguém que é multimilionário, mas que nunca está satisfeito.
Quer sempre mais e mais, e que é um tormento gastar qualquer tostão.
O dinheiro e a riqueza não são coisas, mas podem ser se sobrepuserem a tudo o resto.
A vida não é só poupar dinheiro para a reforma.
Tem de manter um certo balanço entre o dinheiro e o resto da sua vida.

Amigos, amigos, finanças à parte
É um erro pedir dinheiro emprestado a amigos para nos ajudar com os nossos problemas financeiros.
Ocasionalmente talvez seja necessário, e não devemos deixar o nosso orgulho nos prevenir de aceitar ajuda aquando de um momento de maior aperto.
Mas, ao mesmo tempo devemos tentar evitar fazer disso um hábito.
Nem nos devemos sentir responsáveis pelos problemas financeiros dos nossos amigos.

Não ter as finanças em ordem
Muitas pessoas não têm ideia de quanto gastam ou de quanto estão endividadas.
Á medida que as coisas se complicam fica mais difícil saber o estado das nossas finanças.
Infelizmente, ignorar o problema nunca o irá fazer desaparecer, por isso é altamente recomendado ter uma ferramenta para auxiliar em nosso controle financeiro.
Estar ciente das circunstâncias é essencial para melhorar a sua situação.



Manter sempre o crédito
Perder um pagamento do cartão de crédito ou do empréstimo pode-lhe trazer juros ou penalidades, mas a razão principal é que afeta o seu ranking perante as entidades financeiras.
Isto torna mais difícil e custoso obter crédito no futuro, e também obter juros mais baixos.
Esta situação pode ser evitada se fizer débitos diretos ou negociar com a entidade financeira se uma situação financeira se complicar.
É comum em pequenos atrasos que desculpas sejam aceitas, é só uma questão de negociar.

Evitar empréstimos com juros altos
Se não conseguir evitar o endividamento, tente pelo menos obter o crédito com os juros mais baixos.
Isto poderá ser um empréstimo com carência com juros baixos ou talvez colocar mais débito em um empréstimo já existente, onde os juros devem ser mais baixos do mercado atual.

852