cotidianos, empresa, família, financeira, financeiros, planejamento, sucesso,

Na correria do dia a dia é comum as pessoas perderem encontros, viagens, oportunidades de negócios etc, por causa da falta de planejamento de seus itinerários.

Saber exatamente onde você pretende chegar antes de sair de um lugar ainda continua sendo o meio de cumprir com sucesso o seu trajeto.
Parece loucura termos que dizer isso, mas numa sociedade que nos estimula o tempo todo à dispersão, à variação de caminhos e de rumos a tomar, precisamos lembrar que o foco e a determinação em cada uma de nossas ações são os fatores que determinam a qualidade do nosso tempo e a capacidade de realizar nossas atividades cotidianas.

Seria possível termos essa capacidade e lembrarmos de todas elas?
Certamente que não.
Precisamos, sim, de uma medida, um exemplo para podermos pautarmos a nossa produção relacionada ao que temos no cotidianos.

Sem essa prévia organização, é impossível saber se estamos evoluindo e retrocedendo, pois, como já diz o ditado, ‘Se não soubermos para onde ir, serve qualquer lugar’.
E o qualquer lugar não pode ser o nosso não é mesmo?



O planejamento estrutural é o coração e a mola propulsora de qualquer empresa, família e pessoa.
Sem o planejamento ficamos a mercê das intempéries cotidianas o que pode nos acarretar em vários problemas financeiros e de saúde.
Sim meu caro, você leu certo, de saúde.

Imagine você, perdido em uma floresta, sem saber onde e como buscar recursos para a sua sobrevivência, você não possui um lápis, papel, muito menos caneta.
Está na situação de sobrevivência, e começa a elaborar de improviso o que você precisa para aquele dia.
Nossos antepassados fizeram isso, mas, com o desenvolvimento da linguagem, e com isso, da tecnologia, nós tivemos o avanço dessa organização.
Essa floresta pode ser a sua casa.
Mas esse avanço não significa que todos os seres humanos hoje estão prontos e preparados com esse recurso.
E por que não estão preparados?
Motivo sócio econômicos?
Pesquisas apontam que não.

Não há relação diretamente apontando a educação financeira relacionada aos que possuem ou não remunerações suficientes.
Em suma, não é o fator social e econômico que faz uma pessoa computar logisticamente os seus recursos naturais.
E sim, a sua vontade em contabilizar de forma estrutural e organizada, assim como fizeram nossos antepassados evoluírem.

Construa uma sólida base de dados.

É preciso fazer essa pesquisa, um tanto demorada no começo, mas que com a evolução da mesma, consegue-se um grande resultado com o tempo.

Tudo deve ser escalonado.

Em suma, o que não é medido, não pode ser diagnosticado.

Saiba para onde você vai.

Tenha em mente todos os seus paradigmas, vontades, ônus e bônus ao tomar decisões e com isso, no ‘papel’, tome as decisões maduras, tendo em mente que cada decisão que tomar, renunciará a outras.



385